Nyah! Fanfiction

Mais do que Irmãos escrita por lininhaaa

Capítulo 9
IX - What Hurts The Most

Notas iniciais do capítulo

Por favor, leiam as notas finais!
Boa leitura!

 

Capítulo IX – What Hurts The Most (O Quê Mais Dói)

 

 

Onde ela estava com a cabeça quando enlaçou os braços envolta do pescoço de Sasuke? Como olharia nos olhos dele sem não se sentir péssima? Provavelmente essas seriam as conseqüências mais leves que sofreria de agora em diante...

Sakura acordou tarde naquele sábado. Por volta das duas horas da tarde, ela abriu os olhos e suspirou pesadamente.

“Como aquela cena poderia ser só um sonho...”

Se fosse um sonho, ela guardaria para si mesma e mais ninguém saberia... inclusive Sasuke! Sonhou tanto com aquilo e tinha que confessar... Sasuke beijava melhor do que ela imaginava.

Mas uma hora ou outra teria que encarar Sasuke, portanto precisava pensar em algo.

 

I can take the rain on the roof of this empty house

that don't bother me
I can take a few tears now and then and just let them out

Eu posso agüentar a chuva no telhado dessa casa vazia
isso não me incomoda
Eu posso chorar algumas lágrimas às vezes e apenas deixar que elas saiam

Seus pensamentos foram interrompidos pelo som de batidas na porta. Levantou-se preguiçosamente da cama e foi em direção a porta e ao abri-la, deparou-se com duas pedras ônix a fitando. Instintivamente fechou a porta na cara de Sasuke e se recostou quase sem ar.

“Tão rápido assim?!” pensou ela.

 

I'm not afraid to cry
Every once in a while even though goin on with you gone still upsets me
Eu não tenho medo de chorar de vez em quando
Mesmo que continuar sem você, mesmo você tendo ido embora ainda me deixa triste

***

 

Do lado de fora, Sasuke e Itachi se entreolharam. Sasuke sabia muito bem o motivo da reação dela, porém o Uchiha maior não.

– O quê deu nela?

– Hmm... – limitou-se Sasuke.

Itachi suspirou e empurrou o irmão para tirá-lo de frente da porta e ele mesmo bateu na porta, chamando-a.

– Sakura-chan?

 

***

 

Sentiu-se uma completa idiota quando escutou a voz de Itachi. Jurava que quem tinha visto era Sasuke. Ouviu mais uma batida na porta e trincou os dentes.

– Sakura?

“Droga...”

– Sim... – respondeu recostada na porta.

– Dá para abrir a porta?! – perguntou em tom brincalhão.

– N-não estou apresentável, Itachi-kun... – mentiu. – O que você quer?

Ouviu uma risada baixa que jurava ser de Sasuke, mas ignorou, afinal, sua sanidade já estava esgotada desde a noite passada.

– Papai quer falar com você! – exclamou. – Aliás, quer falar com todos nós... Então, se não for pedir muito, a princesa pode descer logo?

Não só sua sanidade tinha ido embora, como seu humor também não estava dos melhores. 

– Engraçadinho... – grunhiu. – Já estou indo!

Finalmente resolveu levantar-se do chão quando ouviu passos distantes. Saiu correndo para o banheiro e tomou um banho rápido. Só agora lembrou-se que Fugaku lhe disse que quando chegasse, independente da hora que fosse, queria ser avisado para saber se estava tudo bem.

“Agora ferrou de vez...”

 

***

 

Depois do banho, Sakura pegou a primeira calça jeans que achou no guarda-roupa e vestiu-a. depois, pegou uma bata preta e calçou uma sandália baixa.

Assim que abriu a porta do quarto, saiu um pouco desengonçada pelo corredor e só sentiu ser puxada por alguém. Instintivamente tentou gritar, mas o barulho foi abafado por a mão de alguém.

– Não faça papel de louca, Sakura! – grunhiu Sasuke ao soltá-la. – Quero falar com você!

Ele parecia tão natural! Enquanto ela se remoeu praticamente a madrugada inteira, Sasuke continuava com a mesma expressão fria... Se é que as feições dele poderiam ser consideradas uma expressão!

Antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, Sasuke a interrompeu. 

– Ontem a noite... – assim que começou a falar, viu o rosto de Sakura mais e mais vermelho. – O quê aconteceu ontem foi um absurdo! Acho que eu bebi demais e fiz coisas que não deviam.

 

There are days
Every now and again i pretend i'm okay but that's not what gets me

Tem dias
Que eu costumo fingir estar bem, mas não é isso que me deixa triste


– Entendo. – foi tudo que conseguiu responder. Como tinha sido tão tola por achar que Sasuke iria beijá-la porque sentia algo mais por ela?

Passou por ele sem olhá-lo diretamente e desceu as escadas em direção às escadas.

 

***

 

Viu-a se distanciar como se o que ele acabasse de lhe dizer, fosse uma bobagem! Tinha mentido só pelo fato de tentar tirá-la da cabeça.


What hurts the most, was being so close
And having so much to say
And watching you walk away

O que mais dói, era estar tão perto
E ter tanto a dizer
E ver você indo embora

 

 

“Merda!”

Não funcionou! Agora sentia-se mais culpado do que nunca e o pior... agora que não tiraria ela da cabeça tão fácil...

Sasuke percebeu que tinha ficado tempo demais olhando para o nada e resolveu descer, caso não o fizesse, escutaria outro sermão de seu pai.

Desceu as escadas calmamente, por mais que estivesse explodindo por dentro. Nos últimos degraus ouviu Fugaku falando em voz um tanto quanto alta.

Ao aproximar-se viu Sakura sentada de cabeça baixa, enquanto seu pai andava de um lado para o outro e Itachi estava próximo da rosada. Sasuke achou aquela atitude estranha... Nunca vira seu pai dando bronca em Sakura, ainda mais com aquele tom de voz.

– Sabia que me deixou preocupado, Sakura? O que eu lhe disse que era para fazer quando chegasse?

– ...

– Responda! – esbravejou.

Ela pouco a pouco levantou a cabeça e o fitou com um olhar triste.

– Avisar o senhor... – murmurou. – Eu não queria te preocupar, pai. Me desculpa! Eu estava muito cansada e acabei esquecendo...

– Não interessa!

– Pai, não é para tanto. Sakura nunca lhe desobedeceu e creio que seja a mais responsável de nós três... – comentou Itachi. – Não há porque fazer tudo isso!

– Ele tem razão... – pronunciou o Uchiha menor.

Ao ouvir a voz de Sasuke, Sakura olhou pelo canto do olho e só agora havia notado a presença dele.

– Além disso, nós voltamos juntos! Naruto e eu saímos e por coincidência, Sakura e Hinata estavam no mesmo barzinho...

Fugaku olhou para o filho por alguns segundos e Sasuke continuava com a mesma expressão fria.

O Uchiha maior suspirou pesadamente e disse:

– Certo! Depois eu continuo nossa conversa, Sakura... – murmurou fitando a rosada. – Agora, eu preciso que vocês três me façam um favor.

– Qual?

– Hoje a noite haverá um pequeno congresso e nossa empresa foi convidada. Preciso que vocês venham comigo. Precisam se acostumar com essas coisas, já que em breve, tomarão conta da empresa e essa seria uma boa oportunidade para começar!

– Fala sério! – grunhiu Sasuke.

– Não se preocupem, porque não será uma reunião de velhos. Muitos dos empresários levarão seus filhos também. Além disso, Amaya levará a sobrinha dela, que chegará hoje de viagem e provavelmente passará alguns dias conosco.

Sakura percebeu a troca de olhares entre Sasuke e Itachi... Provavelmente, eles já conheciam a tal sobrinha de Amaya. 

– Estejam lá às oito e meia. Ficarei até tarde na empresa, portanto nos encontraremos lá!  

– E Amaya?

– Ela buscará a sobrinha no aeroporto e depois, seguirá comigo para a festa...

Os três “irmãos” assentiram e cada um seguiu seu caminho. Itachi voltou para o escritório, Sasuke saiu sabe-se lá para onde e Sakura foi para seu quarto.

 

***

 

Sakura estava literalmente jogada em um futon branco que ficava no canto do quarto. Por ela, ficaria trancada o dia inteiro no quarto... Se pudesse, ficaria a vida inteira ali só para não encará-lo.

Sentia-se uma completa idiota em cogitar a possibilidade de estar apaixonada pelo seu irmão de criação. Era naquelas horas que sentia mais falta de Mika e até mesmo de Mikoto, suas duas mães.

And never knowing, what could have been
And not seein that lovin you
Is what i was tryin to do
 

E nunca saber, o que poderia ter sido
E não ver que amar você
Era o que eu estava tentando fazer

Claro que seria um absurdo dizer a Mikoto que estava gostando do filho dela. Ou para Mika, que diria:  

“Como você foi se apaixonar pelo filho do patrão?” Ou algo assim.

Mas em todo caso, ambas faziam falta...

 

***

“Sete e meia...” constatou ela ao olhar para o relógio.

Estava sentada em frente ao espelho penteando os longos cabelos rosados. Estava indo naquela festa sobre protesto, mas depois da escorregada que tinha dado com seu pai, era o mínimo que poderia fazer.

Ficou quase dez minutos de frente para o espelho até que percebeu que precisava se apressar. Seu vestido preto estava perfeitamente arrumado na cama e as sandálias debaixo da mesma... Era só se aprontar.

Colocou o vestido e o ajeitou-o no próprio corpo e depois colocou as sandálias de cor prata. Novamente ficou na frente do espelho e se achou bonita. A roupa tinha lhe caído perfeitamente bem e acabou “levantando” sua auto-estima.

Depois passou rímel, lápis de olho, um batom claro e deixou os cabelos soltos, afinal o vestido deixava suas costas a mostra. Talvez esse era o único defeito  que ela encontrou no vestido.

“Sete e cinquenta e cinco! Minha nossa!”

Abriu rapidamente a porta do quarto e desceu as escadas rapidamente, onde já podia avistar Itachi sentado na poltrona.

Logo, Itachi percebeu a presença de Sakura e levantou-se com uma cara de impaciência.

– Até que enfim!  É só uma festa, Sakura... Não um casamento!

– Gomene... – sorriu sem graça. – Acho que me distrai com algumas coisas...

– Que coisas?

– Pensamentos... – murmurou.

– Você anda tão estranha quanto o Sasuke! – resmungou Itachi. Sakura apenas arqueou uma sobrancelha. – Enfim... Vamos! Sasuke já está lá fora...

 

***

 

Enquanto isso, Sasuke esperava os outros na garagem. Assim como Sakura, ele não queria ir naquela festa. Só de pensar que a sobrinha de Amaya estaria lá, sentia seu estômago embrulhar.

Mas não era só isso que o incomodava... Ele não tinha coragem de olhar para Sakura depois do beijo da noite passada. Por que se sentia tão mal por dar um ”fora” nela? Estava acostumado a dar fora nas garotas com tanta freqüência, que já estava se tornando um hábito. Então por que com Sakura seria diferente?!



It's hard to deal with the pain of losing you everywhere i go
But i'm doin it

É difícil lidar com a dor de te perder
em todo lugar que eu vou
Mas eu estou fazendo isso

Ele sabia a resposta, mas não queria admitir: ele não queria dar um fora nela. Ele não se arrependeu daquele beijo. E talvez a pior das conclusões: estava apaixonado por ela.

– Droga! – praguejou alto.

Algum problema, Sasuke?

Até aquele momento, Sasuke pensou estar sozinho, mas ao virar-se viu Itachi e Sakura descendo os últimos degraus da escada. Seus olhos pousaram-se exatamente nela.

“Perfeita...”

Sakura por sua vez, olhou para outro lugar quando percebeu duas pedras ônix sobre ela. 

– Sakura, você vai ficar aí? – perguntou Itachi de forma divertida, vendo-a parada na escada.

Quando deu por si, viu os dois irmãos esperando-a quase na porta da garagem. Sentiu seu rosto esquentar. Odiava passar por “tonta”, e era exatamente assim que se sentia naquele momento.

 

***

 

Tudo o que se ouvia no carro era os ruídos da música baixa que Itachi tinha colocado, depois de longos vinte minutos de silêncio absoluto.

O Uchiha mais velho dirigia, enquanto Sasuke estava no banco do passageiro  e Sakura atrás de Itachi.

Percebendo o clima quase “fúnebre” entre os três, Itachi começou a conversar com Sakura.

– Como foi no barzinho ontem, Sakura-chan? – perguntou, vendo a expressão da rosada se contorcer pelo espelho.

Sasuke apenas se ajeitou no banco do passageiro, porém sua expressão continuava a mesma. porém por dentro, estava uma pilha de nervos apenas lembrando daquele rapaz bêbado que quase aproveitou-se da sua Sakura. 

“Ah, foi ótimo! Você não imagina o quanto!” pensou desanimada.

– Foi tudo bem... – murmurou. – desastroso! – completou.

– O que aconteceu? – perguntou de forma divertida.

– Nada de mais... Nada que valha a pena contar, Itachi-kun...

– Tem certeza? Você parece bem... como posso dizer? – Itachi pensou um pouco, sem tirar os olhos da rua. – Triste...


It's hard to force that smile when i see our old friends and i'm alone
Still harder gettin up, gettin dressed, livin with this regret

É difícil forçar aquele sorriso quando vejo nossos velhos
amigos e eu estou sozinho
Ainda é difícil levantar, me vestir, viver com
esse arrependimento

 

– Estou ótima, Itachi! Impressão sua... – Sakura sabia que estava sendo observada por Itachi e tratou de dar um sorriso.

 

***

 

Finalmente chegaram ao tal salão de festas. Itachi e Sasuke andavam um pouco mais a frente de Sakura, que preferiu andar calmamente, apenas os observando.

Logo avistou Fugaku conversando com um casal muito bem arrumado e logo em seguida, Itachi e Sasuke aproximaram-se deles. Viu seu pai fazer um discreto gesto para que ela se aproximasse e foi o que fez. 

– Quero apresentar minha filha, Sakura... – comentou Fugaku colocando a mão no ombro da rosada. 

– É um prazer, senhorita. – o casal disse praticamente ao mesmo tempo.

Em resposta, Sakura sorriu e respondeu:

– Prazer...

Sakura percebeu o homem, provavelmente, amigo de seu pai, vidrado em seu corpo, fazendo-a corar. Ele nem prestava atenção no que Fugaku ou até mesmo, no que sua esposa diziam.

“Que velho safado...” pensou o Uchiha menor. Sasuke desde o começo notara os olhares do velho sobre a  rosada. 

– Mas diga-me, Fugaku... – comentou o homem. - Você não disse que tinha uma filha tão linda assim! Ela deve dar muito trabalho com os namorados.

Todos os presentes riram, exceto Sasuke e Sakura.  Ela por vergonha e ele de raiva.

– Por favor, querido! – cutucou a provável esposa do homem. – Está deixando a garota constrangida... E  além disso, com dois irmãos que mais parecem guarda-costas ao seu lado, duvido que algum garoto se aproxime com tanta facilidade.

– Não posso negar que eles são bem unidos, Imury! – retrucou Fugaku.  Eles são assim desde pequenos...

Sakura, Itachi e Sasuke apenas escutavam entediados  a conversa  deles, que em  pouco mais de dez minutos, chegou ao fim. 

  Amaya chegará daqui a alguns minutos... – anunciou o Uchiha. – Ela também trará sua sobrinha.  – Fugaku olhou para Sakura, que prestava a atenção no que ele dizia. – Espero que se dê bem com ela, Sakura-chan.  Eu já volto.

– Uhum... – concordou a rosada, vendo o pai sair.

Sakura foi desperta pela risada baixa de Itachi, seguida de um cutucão.

– Do que está rindo?

– Essa sobrinha da Amaya tem uma queda pelo Sasuke... – comentou aos risos.

Idiota! – grunhiu Sasuke irritado. Logo em seguida, ele saiu de perto dos dois.



But i know if i could do it over
I would trade, give away all the words that i saved in my heart that i left unspoken

Mas eu sei que se eu pudesse voltar atrás
Eu trocaria, colocaria para fora todas as palavras que eu guardei em meu coração e que não falei

Sakura não entendeu muito bem a atitude do moreno, mas não pôde deixar de sentir uma ponta de ciúmes.

– Sakura?– A rosada despertou quando ouviu a voz de Itachi chamando-lhe e pelo seu tom de voz, ele parecia meio nervoso. – Escutou o que eu disse?

– Não... desculpe! – sorriu sem graça.

– Hunf! Eu disse que você não deve confiar muito nessa garota!

– Por quê? – Sakura sabia que Itachi não era uma pessoa que julgava as pessoas e para ele falar aquelas coisas, algo realmente estava errado.

– Não sei, mas não vou com a cara dela... – murmurou. – e nem da Amaya. – confessou.

Ela o olhou surpresa.

– Mas... Você disse q...

– Eu disse que você deveria tirar suas próprias conclusões sobre Amaya,  mas não disse que gostava dela! – “Então Sasuke não é o único.” Pensou. – Na minha opinião, ela não passa de uma aproveitadora que adora gastar o dinheiro do pai...

– Você está sabendo algo que eu não esteja sabendo?

– Trabalho com o nosso pai, Sakura-chan! Sei muito mais do que você imagina! – ele a encarou por longos segundos, vendo sua irmã com um olhar confuso. – Mas não importa... Vamos atrás do Sasuke.

Antes que ela pudesse retrucar, viu Itachi lhe dando as costas e suspirou pesarosamente. Não conhecia ninguém naquela imensidão de pessoas... Ou ficava com eles, ou com seu pai?

“Melhor segui-lo antes que eu me perca...”

 

***

 

Sasuke estava sentado numa mureta que ficava de frente para um pequeno hall, onde poucas pessoas passavam. Finalmente poderia ter um pouco de paz e tranqüilidade para colocar as idéias no lugar.

Lembrou-se do velho que era amigo de seu pai e olhava Sakura como se quisesse devorá-la. Sentiu seu sangue ferver e passou a mão pelos cabelos arrepiados, numa tentativa inútil de se acalmar.

Depois do dia anterior, Sakura sequer o olhou. Sasuke se achava a pessoa mais burra do mundo em ter seguido os conselhos de Itachi. Será? E se Itachi estivesse certo e ele era o errado naquela história? E se ele estivesse errado por ter mentido para ela, usando a desculpa que estava bêbado?


What hurts the most, is being so close
And having so much to say
And watching you walk away
And never knowing, what could have been
And not seein that lovin you
Is what i was trying to do
 

O que mais dói, era estar tão perto
E ter tanto a dizer
E ver você indo embora
E nunca saber, o que poderia ter sido
E não ver que amar você
Era o que eu estava tentando fazer

Sasuke-kun... – uma voz conhecida chamou a atenção dele, e assim que virou-se para ver de quem se tratava, revirou os olhos.

 

***

 

Sakura e itachi procuraram por Sasuke por todos os lados, quando avistaram Amaya próxima de seu pai. 

– Não acredito que a cobra já chegou! – murmurou Itachi para si mesmo.  Sakura ao ouvir o comentário quase inaudível do irmão, soltou uma risada baixa. – Oh! Desculpe, Sakura-chan... você escutou?

– Não... Imagina! – respondeu irônica.

Apesar de se mostrar durão, Itachi sofria tanto quando Sasuke em relação a Amaya... E Sakura não se sentia diferente. Era óbvio que, até aquele momento, a mulher não havia feito nada contra a rosada. Mas só o fato dela ocupar o lugar de Mikoto, fazia que a mulher tivesse uma desvantagem enorme com os Uchiha.

Sakura continuou andando, sem perceber que Itachi rumou para outro caminho. Estava tão perdida em seus pensamentos, que só se deu conta que estava sozinha quando viu uma cena que fez seu coração parar por meros segundos.

Sasuke estava sentado numa mureta e na sua frente uma garota de cabelos ruivos. Esta estava praticamente debruçada sobre ele, lhe dando um beijo.

Sentiu a visão ficar turva, devido as lágrimas que já começavam a brotar de seus olhos, mas fez questão de engolir o choro. Suas pernas transformaram em duas estacas, que fincaram no chão.

Ele sequer a afastou, mas também não se moveu um centímetro. “ Duvido que ele falará que estava bêbado para ela...” pensou a rosada com uma certa mágoa.

– Mas já? – grunhiu Itachi atrás da rosada.

Ela nada respondeu, apenas viu Itachi passar por ela e ir até o “casal de pombinhos”. Sakura novamente o seguiu, como sempre. Naquela noite parecia uma barata tonta na festa.

O Uchiha maior pigarreou alto o suficiente para fazer Karin se afastar do irmão. Sasuke por sua vez olhou para trás e deu de cara com Sakura o observando.

“Merda! Não faltava mais nada!”

Era fato que Sasuke não suportava a presença de Karin e ela, fazia de tudo para passar a maior parte do tempo, junto dele. O beijo o pegou de surpresa, mas naquela altura do campeonato, tudo o que queria era esquecer o sabor de Sakura... O que foi catastrófico! O beijo da ruiva nem se comparava com o dela...

– Itachi-san! – ela arrumou os óculos em seu devido lugar e sorriu sem graça. – Quanto tempo!

– Aham... –O desaprovamento na voz de Itachi era nítida. – Karin, meu pai pediu para apresentar-lhe a nossa irmã.

O moreno apenas deu um passo para o lado, revelando Sakura que tentava, inutilmente, sorrir. Karin a mediu de cima abaixo com uma cara que nenhum dos três conseguiu distinguir se era pena ou nojo...

Qualquer que fosse a opção correta, Sasuke não gostou nem um pouco.

– Sou Uchiha Sakura...  – balbuciou ainda com o choro na garganta.

– Uchiha? Mas você nem se parece com uma Uchiha! – retrucou com certa ironia na voz. – Sou Karin!

Em resposta, Sakura sorriu. Porém, sentiu-se incômoda com os olhares que Sasuke e Itachi trocavam. Ninguém dizia uma palavra sequer, porém os dois irmãos se fuzilavam com o olhar.

Já Karin, não perdia a oportunidade de esbarrar uma de suas mãos no Uchiha e logo em seguida dizer  um “Desculpe, Sasuke-kun...”

– Onde você vai? – perguntou Karin quando viu Sasuke subindo.

– Não  interessa! – retrucou de forma grosseira.

– Eu vou com você, Sasuke-kun!

Em resposta o Uchiha revirou os olhos. Odiava Karin e seu jeito pegajoso, mas esse não era o motivo de sua irritação. Sua raiva era causada pelo descaso da ruiva sobre Sakura...

Se não bastasse ele tê-la magoado com mentiras, Sakura devia pensar que ele não passava de um canalha. 

What hurts the most, was being so close
And having so much to say
And watching you walk away

O que mais dói, era estar tão perto
E ter tanto a dizer
E ver você indo embora

 

– Você não vem, Sakura-chan?

Ela virou-se e somente Itachi estava ali. Por um minuto, Sakura pensou que somente ele se importava verdadeiramente com ela.

– Vou ficar mais um pouco. Pode ir! – murmurou.

– Ok!

 

And never knowing, what could have been
And not seein that lovin you
Is what i was tryin to do

E nunca saber, o que poderia ter sido
E não ver que amar você
Era o que eu estava tentando fazer


Depois que perdeu Itachi de vista, ela suspirou e abaixou a cabeça. Maldita hora que resolveu ir naquela festa. Maldita hora que beijou Sasuke.

– O quê eu faço, Kami-sama? Por favor, me ajuda! – balbuciou.

 

Not seeing that lovin you
that's what I was tryin to do...

E não ver que amar você
Isso é o que eu estava tentando fazer
 

 

De repente, algumas folhas das árvores começaram a se mexer e uma brisa agradável bateu no rosto de Sakura. Poderia até ser um sinal, mas o que significava?

– O quê faz uma garota tão linda como você ficar sozinha aqui fora?

 

 

 

...Continua...


What Hurts The Most - Rascal Flatts

 

Link: http://www.youtube.com/watch?v=A9pTgj-8iF4&feature=related

 

(Vídeo SasuSaku)



Notas finais do capítulo

*Aparece com um escudo* Oii gentee!
Eu demoreiii demaais! Eu sei, mas tenho bons motivos para isso! >.
.

Versão clássicaControle Parental